Páginas

sexta-feira, janeiro 31, 2014

MUDANÇAS

Na foto: Eu, Mariana, Fabiane, Clarissa

MUDANÇAS

Desta vez eu sigo, mas não sem olhar para trás. Encaixoto minhas coisas, tantos livros, tantos sentimentos, tantas roupas, tantas sensações, tantos papéis, tanta saudade. De abstrato, cada detalhe dos movimentos letárgicos de uma gata inquieta, ardida e amorosa: Mafalda com seu coraçãozinho na boca. Não pertenço mais a esta casa. 

Desta vez eu sigo, sem olhar para trás para um novo desafio profissional. Alguma coisa em mim clama por mais aprendizado, posto que o que aprendi já dominei. E ainda há tanto espaço para o que não sei. Mas guardo os amigos que fiz, os que foram e os que ficarão no burburinho cotidiano das conversas atravessadas e teclas de computador. O cheiro de café no meio da tarde.

Também sigo, com frio no estômago, para o parto do meu terceiro livro. Mentalmente eu folheio os olhos do leitor que os receberá pelo correio. Minha caligrafia nos envelopes. E um abraço guardado em cada frase. Meu suor escorrido em cada página.

Sigo pelos caminhos que a vida teceu: com todas as mudanças bruscas, algumas coisas sobreviveram, mas algo em mim morreu.

Levo o amor por tudo, sempre.
Uma esperança entusiasmada.
A gratidão que me acompanha.
E um desajeito de dizer adeus.

Marla de Queiroz

(sus)penso em passos de (mu)dança.

quinta-feira, janeiro 23, 2014

Certas tristezas





Certas tristezas doem mais porque vêm com uma delicadeza infinita. É como se, no lugar do grito, apenas o seu peito espremido, mas mudo. O choro não é contido, mas a voz embargada. A lágrima fica presa na sua expressão e os olhos lânguidos, meio adoecidos, uma beleza de fragilidade na feição. 


Certas tristezas são muito discretas. Seus hematomas são familiares, suas fraturas não são expostas. E, de tão explícitas, pouco se mostram. Você fica melancólica, distante, quase indiferente ao resto de tudo. Você sabe que vai passar, mas naquele momento não acredita: de tão inapetente, apenas contempla sem saborear a escuridão cobrindo o mundo. É dor que dói em silêncio sem o alvoroço da aflição: espécie de tristeza concisa.

É tristeza que dá sono, o cansaço prematuramente perdoado. A vontade de se recolher e se acolher por ter algo que nem ao menos possa ser compartilhado.

Certas tristezas vêm como a fotografia de uma árvore frondosa e solitária... 
Numa paisagem bonita.

Certas tristezas grudam em nós à espera de uma boa notícia.

Marla de Queiroz

terça-feira, janeiro 21, 2014

Deixa em paz o meu caos


Foto: Bruno Fagotti


Eu não consigo mais acomodar você dentro de mim depois da pasmaceira de tempo perdido, de jogo barato, de sedução cheia de recato. A mesma atitude de todos eles, todos os que eu não quis porque provavelmente não iam me querer por muito tempo. Não fiquei com raiva porque eu não tenho espaço o suficiente aqui dentro para ter raiva de muitas coisas e, naquele momento, eu tava com irritada com algo que segurou meu foco. Mas eu senti uma preguiça profunda quando te vi ali, plantado embaixo da minha janela fazendo pose de ciumento arrependido. Fazendo cara de marido ressentido. Vítima tirana da minha democracia: “vamos decidir juntos o que a gente vai fazer nesta tarde vazia? Desta vida vadia? Desta cara emburrada? Deste jeito escroto de querer que eu seja exatamente o contrário daquilo que te atraiu no início?”.

Eu não consigo mais acomodar você dentro de mim porque eu fiquei bem cansada da tua autopiedade. Desta falta de dignidade. Da necessidade de seduzir pra me distrair e se autoafirmar. Sua mania de tentar despertar emoções e tentar tirar tudo do seu indevido lugar.

E por não conseguir mais te acomodar aqui dentro de mim, eu te peço:
Por favor, deixa em paz o meu caos.

Marla de Queiroz

domingo, janeiro 19, 2014

Otimismo X Pessimismo




Foto: Sérgio Rousselet

Ocasionalmente eu reflito sobre o que leva uma pessoa a ser pessimista. Penso que talvez seja uma posição confortável, por mais aflita que me pareça. Esperar o pior porque “se acontecer o melhor será lucro”, é a justificativa de muitos. 

Eu escolhi o otimismo e nunca fui desamparada por ele. Mas ser otimista dá trabalho pra caramba. Todo dia você atrai gente de luz, experiências divinas e uma rasteira. Todo dia um abraço amoroso e um tombo de gente que nem se esperava. O otimista nunca espera pelo pior e, quando ele vem, ele respira fundo, retoma o fiapinho de força que sobrou daquela frustração e entrega pro Universo. Só que ele não pode ser imediatista, não pode ter pressa, tem que trabalhar arduamente a ansiedade e entregar, confiar. Ser otimista é uma canseira infinita: deslocar o pensamento magoado para esperança de uma circunstância favorável que resgate a confiança no Mundo, na Vida, na Humanidade.

Enquanto isso, o pessimista assiste, confortavelmente, esta batalha alheia: e se sente superior porque já espera conformado que tudo dê errado “porque isto é ser realista”. (Para o pessimista, o otimista não passa de um ser ingênuo fadado ao sofrimento).

Quanto a mim, vivo uma verdadeira aeróbica mental, espiritual. Crio diariamente mantras de evolução e tentava, incansavelmente, colocar ação nas minhas palavras, ser coerente com o meu posicionamento otimista até que isto virou um hábito e foi introjetado. Mas, palavra de otimista: dá trabalho pra caramba ser uma pessoa melhor quando tanta gente tenta tirar proveito disso.

A sorte é que deu sorte ser assim. Até hoje pelo menos.

Marla de Queiroz

P.S.: Certa vez li esse trecho (não lembro o autor) que repito mentalmente todas as vezes em que a minha crença no ser humano fica abalada:

“Ninguém está contra você: todos estão a favor de si mesmos.”

quinta-feira, janeiro 16, 2014

Todos os sentidos


FOTO: Sérgio Rousselet


As frases estavam arrepiadas por causa do assunto. E nada tinha sido dito ainda, só pensado. Se bem que a voz do olhar sensual, quando sussurrante, desamarra qualquer diálogo indecente: e apenas o cenário vestia os personagens. Era o suficiente. E o suficiente é tão preciso. Foi quando a fala desatou nas palavras: úmidas de língua. E a voz do olhar emudeceu: fechados os olhos. Tato, olfato, paladar no ato. Tudo refazia todos os sentidos. Era sentimento derramando. Era tanto pra tudo que é lado.


Marla de Queiroz 

quarta-feira, janeiro 15, 2014

Paisagem



FOTO: Sérgio Rousselet

O sol acaricia os contornos da rocha
A areia silencia pegadas
E o mar suspira espuma e sal.
O dia rebenta em cor
Delineando a paisagem de azul
Delicadamente
Como quem
Acaricia
Um corpo nu.


Marla de Queiroz 

ENSAIO 1


FOTOS: Sérgio Rousselet 








terça-feira, janeiro 14, 2014

BLOQUEADA DO FACEBOOK

Foto: Sérgio Rousselet

Tentaram calar a minha voz porque expus o coração que batia em meu peito. Porque eu tenho um corpo funcional e agrego minha poesia a ele. Amordaçaram a poeta que tirou a roupa, mas minha nudez está nas minhas palavras. O recalque e a falta de coragem de alguns não me tira a liberdade. O facebook é só mais um lugar. Eu não preciso estar aqui para continuar escrevendo. Não foi uma foto nua que incomodou, foi a minha tranquilidade e a minha ousadia. Um corpo bonito é um corpo que respira. Fui bloqueada por não sei quanto tempo e não poderei compartilhar os meus textos, o que não quer dizer que eles não serão escritos: serão arquivados numa pasta do Word ou compartilhados no meu blog. A minha parceria com o Sérgio Rousselet é só o início de um projeto que nos convida a sair desse lugar robotizado, photoshopado, falso. Não consideram como “conteúdo impróprio” essa publicidade que vende anfetamina para que as mulheres emagreçam como se a única forma de ser bonita fosse ter um cérebro comprometido com uma droga que suga de um corpo sua essência. Vocês estão conformados? Vocês vão se conformar? O que podemos fazer para tentar deslocar essas pessoas desses lugares fechados e escuros? Dessa mente obtusa e cheia de preconceitos? Eu estou em paz. Quando puder escrever novamente aqui, escreverei. Mas acho que o que está acontecendo é uma oportunidade maravilhosa para um debate, para uma reflexão. Não se conformem tão facilmente com o que quer que seja. Não engulam estas verdades prontas.

Amordaçaram a poeta tentando amputar meu corpo. Esqueceram que o meu cérebro é mais poderoso que os meus seios.

Simbora fazer alguma coisa?

Desejo boas notícias.

Marla de Queiroz