Páginas

terça-feira, dezembro 17, 2013

ELOGIO À DOR



Que possam se doer em paz os que sofrem: por angústias existenciais, desamor ou qualquer coisa que pareça banal. Que possam, simplesmente, silenciar e não sorrir naquele dia. Que possam entrar em contato profundo com o trecho machucado de sua vida, com a garganta magoada pelo choro engolido, com a vontade da desistência. E que, a partir disto, possam qualquer coisa, inclusive decidir o que fazer com isso: pode ser que tanto, pode ser que nada. Mas, sobretudo, que percebam a não obrigação de cumprir o imperativo milenar do “reaja, melhore esta cara, vamos viver!”, pois a vida é esta poça de lama também. Então, que sejam respeitados em sua dor os que sofrem e que não sejam importunados senão por um abraço, ou talvez nem isso. Respeitem seus cansaços. Não cobrem luz da sombra. Que possam se doer em paz enquanto seres sentimentais: ao menos não fizeram uso de anestésicos emocionais. 



Marla de Queiroz

2 comentários:

Emily Lawrence disse...

Estas sincronicidades que nos acontecem. Ontem eu havia pensado em como este texto era bonito e há quanto tempo não postavas nada no blog.
(Como dissestes a alguém que não estavas de bom humor, não quis expressar minha opinião.)
Quem bom que o postaste!

Milka disse...

Tudo o que tenho sentido e não expressado. Tempos difíceis, onde pessoas sinceras e afetos são raros...