Páginas

terça-feira, julho 30, 2013

Sobre o abandono



Frequenta o abandono quem vive um quase namoro, fantasia reciprocidade, aceita abraço frouxo, conversa sem olho no olho, ausência de carícia.

Frequenta o abandono quem chama a rejeição de saudade, implora por qualquer fiapo de atenção, enfeita sua própria desvantagem. 

Frequenta o abandono quem vê na recusa uma possibilidade de mudança ignorando os sinais óbvios da distância.

Frequenta o abandono quem não reconhece que ser bem tratada não é um mérito, mas uma condição e segue chamando migalhas de banquete.

Frequenta o abandono com assiduidade quem se contenta com tão pouco que o Outro para mantê-la descobre que pode dar cada vez menos.

Frequenta o abandono quem não está disponível pra viver um romance porque namora um drama.

Marla de Queiroz

15 comentários:

Ícaro Machado disse...

Olá Marla, tudo bem?

Gostei muito desse seu texto e do blog em geral. Tudo muito sentimental, visceral e ao mesmo tempo,com a medida certa de realismo, parabéns.

Todos precisamos sair dessa tal zona de conforto, certo?

Estou começando no blog agora, mas logo tudo toma forma.

Se quiser dar uma lida e alguma crítica, se sinta à vontade:

suspirosfloresperdao.blogspot.com.br

O meu blog conta com dois pontos de vista, basta olhar no final do texto para ver quem o escreveu. Espero que goste.

Até a próxima,
Ícaro.

MariMari Tiscate disse...

OLá Marla... gostei muito desse texto e vou compartilhar no meu facebook, está bem?
É um texto muito verdadeiro e também triste... porque muitas de nós vivemos essa precariedade de carinho e achamos normal...
Um grande abraço!

MariMari

Rebeca dos Anjos disse...

Muuito bom!!

Mariana Penna disse...

Esse texto foi escrito pra mim e foi vários tapas na minha cara!

=(

Anônimo disse...

Marla, minha querida Marla... Já faz algum tempo que leio seus textos e me identifico com tantos deles... sempre tão profundos, sempre tão intensos, sempre tão humanos... Esse em especial resumiu a situação em que vivo. Triste situação... Mas obrigada, suas palavras foram raio de luz em meio a escuridão!

Daniel Barthes disse...

Uma delícia lê-la,procurando o significado nos signos em nós projetados pelas tuas estrelas...
Identifiquei vezes em que condenei ao abandono,tanto em função de melancolia atávica,de cansaço,de sono...

Bjosss...

Estou seguindo-a,Marla!

Anônimo disse...

Nossa, relmente hoje a tarde eu ia pela rua e ao avistar o moço, atravessei a rua. Depois fui pensando exatamente nisso que escrevestes. Estou com ele há dois anos e meio, aceitando sempre desculpas esfarrapadas, perdoando, cuidando e recebendo indiferença e pouco caso. Nesse fim de semana ele nem apareceu. Só aparece quando está sem programa e sem dinheiro. Como disse a amiga acima, foi vários tapas na minha cara. Enquanto eu o espero, perco oportunidades e ele vive a vida dele e usufrui de toda a linerdade. Triste isso! Preciso me libertar urgente!

Amanda Carvalho disse...

Que bacana seu trabalho, fui apresentado a ele esses dias por uma amiga. Que belo! Que delícia de lirismo!
Também arrumei um lugar para transbordar,para trocar. Se quiser adentrar minha janela é só chegar.
http://dajanelapradentro.blogspot.com.br

Parabéns!!
Um super beijo!

RR disse...

blog do humor: cafednoite.blogspot.com

may lu disse...

Olá Passei, gostei e fiquei... Concordo com seu ponto de vista, esses amores sem eira nem beiras são para os conformistas. Amor bonito é aquele amor que nos faz melhor! Amor agregado... Ao alcance. O resto é engano.
Parabéns pelo lindo texto! Beijos

Roselaine Cruz - Poeta performática disse...

Adorei !!!
Veja meu blog, vê se você curte?
www.osentraveseasbrechas.blogspot.com

Anônimo disse...

Quando leio textos assim, vejo o quanto tenho aceitado desculpas e esperado por restos.
"É parte da cura o desejo de ser curado". (Séneca)

Ana Paula Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

É perfeito ler algo sim pq eu vejo o quanto tenho implorado e esperado por migalhas...

Isa Sousa disse...

Marla acabei de deixar de frequentar um abandono e quando li esse seu poema me encontrei obrigada querida por existir!!!