Páginas

quarta-feira, julho 25, 2012

DIA DO ESCRITOR



Gosto de muitas coisas,  faço diversas outras e tento otimizar o meu tempo da melhor maneira possível. Mas escrever é minha essência, minha inquietação, meu alívio. É o que me move, salva, aprimora. As palavras são pessoas que abraço com toda a candura do meu coração. Com elas aprendi a ter compreensão (porque nem sempre se disponibilizam quando quero e da forma que idealizo) e paciência (para esperar o momento em que haja uma comunhão, uma reciprocidade neste meu namoramento com elas). As palavras cobram de mim honestidade e nudez, não há como ser leviana com um amor tão bonito (sim, aqui cabe esta redundância). E é nesta minha tentativa de achar conforto dentro do caos, que alguns corações acabam encontrando acolhimento nos meus textos. Porque, às vezes, eles são uma bronca, ou um incentivo, ou a tentativa de mostrar um ângulo novo do mundo, um sopro de esperança, mas, sobretudo, meu jeito de tentar cumprir minha missão nesta existência. Sei que esta identificação dos meus leitores é consequência da minha humanização: falo sobre coisas universais, coisas pelas quais eu passei ou passo como amor, separação, reconstrução da autoestima, etc... Eu não saberia superar um dia se eu não pudesse ter algum contato com a palavra. Esta é a minha co-dependência. Esta é a minha insônia. Esta é a minha renovação, minha alegria. E sou grata ao Universo por, às vezes, apenas uma frase ser o antídoto das minhas emergências.

Obrigada por fazerem este trajeto comigo.
*
Marla de Queiroz

7 comentários:

placco araujo disse...

A poesia acontece quando as palavras se abraçam... e como você propicia com maestria este encontro entre elas...
Parabéns neste seu dia nossa poeta descalça e nós é que agradecemos poder acompanhá-la neste trajeto!!!

Beijos

JasonJr. disse...

:D *-* :D

Priscila Rôde disse...

"Eu não saberia superar um dia se eu não pudesse ter algum contato com a palavra. Esta é a minha co-dependência. Esta é a minha insônia. Esta é a minha renovação, minha alegria. E sou grata ao Universo por, às vezes, apenas uma frase ser o antídoto das minhas emergências."

Marla, que coisa mais linda! Nem eu saberia, Amada! E não pretendo saber tão cedo! Ser palavra é tão vasto! Feliz Dia pra você, hoje e sempre... porque todo dia é dia!

Um abraço apertado!

Taty Vitorino disse...

Me identifico demais com tudo o que vc escreve, me vejo em quase todos seus textos! Tenho tbm um blog, e se me der a honra de visitá-lo:

http://tatyvitorino.blogspot.com.br/

Gde bjo e sucesso sempre!!!

Ricardo disse...

Por menor que seja um texto seu, ele sempre é completo, que seja apenas uma linha, ela diz tudo.
obrigado por compartilhar essa linda essência.

- Silvya Fonseca - disse...

Sou uma (pseudo)escritora de meia tigela, mas é assim que me sinto com o ato de escrever também. Taí a identificação da qual você falou.

- Silvya Fonseca - disse...

*meia-tigela