Páginas

quarta-feira, abril 18, 2012

Reflexões sobre “algumas amizades”



Foto: desconheço o autor

Há tempos minha vida deu uma guinada após um longo processo de depressão e exílio voluntário. Estive muito fragilizada e, inicialmente, fui amplamente acolhida por “alguns amigos”. Como a minha situação emocional se agravava cada vez mais, eles foram se afastando e, naquele momento, o contato com as pessoas também parecia não me apetecer mais, pois, provavelmente, eu não estava sendo uma boa companhia: queria viver o meu fundo de poço, sozinha. O que aconteceu, é que depois de muito sofrimento, enjoei daquela dor e daquele abandono de mim mesma_ resolvi reagir e procurar ajuda_ espiritual, profissional e etc. E, da mesma forma que me entreguei àquela situação deplorável e me permiti vivenciá-la até a total vontade de desistência da vida, renasci INTENSA e INTEIRA, com uma disposição absoluta para ser feliz.
Tem sido assim desde então. Não há um dia sequer que eu não faça algo que me permita gargalhar por um bocado de tempo. Não há um minuto em que eu não entre em contato com a minha essência, que é de alegria. Não há momento algum em que eu não me permita brincar para aprender a ser leve, ou pelo menos, estar leve! E resgatar essa minha sede de vida me encheu de uma gratidão profunda e me fez olhar para as minhas conquistas e não apenas para os meus desamparos.
Por muito tempo me deixei ser acompanhada pela angústia e me abracei a ela. Nesta fase, meus “alguns amigos” se sentiam “úteis” porque estavam “superiores” quando “cuidavam” de mim. Mas o que eu não sabia é que insuportável seria minha ascensão, minha alegria. Se antes eles estavam disponíveis, hoje eles apenas sentem saudade. Se antes eles eram o meu bálsamo, hoje eles são uma lembrança bonita. Se antes eram presença, hoje são mais um avatar no facebook que não têm tempo para um encontro real... É por isso que me pergunto: e se não houver o amanhã? Todos andam muito conectados, mas absurdamente indisponíveis... E falam do amor de uma maneira incrível, mas não conseguiram transcender à palavra a ponto dela se tornar uma verdadeira experiência.
Refletindo sobre tais situações, percebo que por determinado tempo, é preciso que exerçamos o amor e a gratidão pelo amparo que nos foi dado no momento mais difícil e que tentemos compreender por que, consciente ou inconscientemente, o Outro ficou tão desconfortável por eu ter me tornado uma pessoa saudável, viável, produtiva. Mas é preciso também, após o tempo dado para que o Outro se resolva, dar-se o mesmo para refletir: como me sinto em relação às atitudes dele?E é isso que tem me importado.
Sei que amar o Outro abrange uma dimensão muito mais complexa do que apenas compreender as idiossincrasias, mas amar-se abrange também um universo muito maior que aceitar que o outro só ame o que há de mais frágil em você... E, se eu gosto de conviver com a força que habita em mim, a escolha desta alternativa faz com que eu prefira que o Outro se afaste ao meu autoabandono novamente. 
Não é fácil, mas eu tive que aprender a tornar isto simples.

Marla de Queiroz

14 comentários:

Rô... disse...

oi Marla,

perfeito,
me vi retratada em suas palavras,
é impressionante tem alguns que só se importam com você,
quando você tem...
outros só quando te veem muito mal...
decidi também tirar da minha vida o que me faz mal,
e hoje sou muito mais feliz...

beijinhos

Relicário Urbano por Aline Barbosa disse...

Lindamente explícito... os amigos são aqueles que nos toleram nas crises, mas que nos permitem abandoná-las e vibram com isso...

Um bj terno de amiga que suporta marés...

Aline

Arquimedes Diniz disse...

Sigo seu blog já um bom tempo, primeira vez que comento. Como eu afirmei pra mim mesmo, "não, não o sigo; sim, o caminho". Somos responsavéis por nossas escolhas e que bom esteja em paz.

Suu Munizz disse...

Aí está uma verdade Marla,as pessoas andam muito conectadas e totalmente ausentes para lhe mandar uma mensagem no celular,para receber uma ligação,ou simplesmente para perceber que vc não está muito bem.
Ligam mais para status virtual do que para um contato real e isso não é nada bom,pois o sentimento vive dentro da gente e não de um computador.
Adorei a reflexão,abraço querida,=)

Desvarios de uma adolescente disse...

Lindamente perfeito *-*

Olivia disse...

Amo seus textos...MAs como faço pa comprar seu livro?Entrei no face e nada...Beijinhos!!!!

Juliêta Barbosa disse...

Marla,

A amizade assim como o amor é uma via de mão dupla onde testamos, diariamente, a nossa vaidade, o nosso ego e nos colocamos, também, à disposição do outro.

Desejo-te, nesse novo caminhar, não um milhão de amigos, mas bons e seletos ouvintes, que saibam espalhar pétalas de rosas na passarela por onde caminham as tuas dores. Bjs

Alika Finotti disse...

O verdadeiro entusiasmo só pode vir da busca pelos sonhos, a verdadeira motivação só nasce quando vivemos com um propósito. Realize-se e todos os Outros terão então se torna parte de sua realização.

karina Bichara disse...

mARLALINDA, Li esse texto lindo e estou exatamente nesse processo que vc passou, ufa! Espero passar por tudo e no final apenas ser feliz!um bj grande.

Anônimo disse...

Então... muito belo o texto, em alguns momentos me vi nesse retrato. Por um momento pensei que o texto iria declinar em sua essencia, mas logo entendi em seu contexto. Entendo que ´´SERENO É QUEM TEM A PAZ DE ESTÁ EM PAR COM DEUS``.

Anônimo disse...

Então... muito belo o texto, em alguns momentos me vi nesse retrato. Por um momento pensei que o texto iria declinar em sua essencia, mas logo entendi em seu contexto. Entendo que ´´SERENO É QUEM TEM A PAZ DE ESTÁ EM PAR COM DEUS``.

Anônimo disse...

Então... muito belo o texto, em alguns momentos me vi nesse retrato. Por um momento pensei que o texto iria declinar em sua essencia, mas logo entendi em seu contexto. Entendo que ´´SERENO É QUEM TEM A PAZ DE ESTÁ EM PAR COM DEUS``.

liradeamor disse...

Que bom que você conseguiu! Feliz com você! Obrigada por compartilhar-se, em belíssimas palavras, conosco. Consciência e luz!

Only Myself disse...

Por coincidência eu estava ouvindo uma música que tem muito haver com o que vc escreveu.
http://www.youtube.com/watch?v=lrXIQQ8PeRs&feature=autoplay&list=FL4aT8wNcKDsyZD0Jp90-z1g&playnext=2

Dizem que amigo não é aquele que fica ao seu lado quando você está no chão e sim aquele que se alegra com sua felicidade. Sentimento mais puro esse de apenas ficar feliz com a felicidade do outro. Confesso que levei tempo para compreender a dimensão dessa resolução, mas para mim ficou claro como água quem eu poderia chamar de amigo e a quem eu era amiga de verdade.

Já passei por esses momentos de fragilidade, quando você se senti de vidro, quando parece que o mundo é cruel demais com você. E realmente as vezes ele é mesmo, mas passei a me permitir sentir dor mas deixei a alegria entrar também. E foi uma estrada de mão dupla. Eu não poderia ignorar uma ou a outra, pois em algum momento uma iria me sufocar e me fazer cair novamente.

Isso ao meu ver é o aprendizado de si mesma, que é eterno.