Páginas

sexta-feira, janeiro 14, 2011

Próxima etapa

Foto: Luna


É como se a verdade fosse uma tromba dágua e saísse devastando quaisquer ilusões que nutri durante todo esse tempo. Mas não percebi isto repentinamente, foi gradualmente, até o dia em que comecei a investigar porque não queria te ligar, ou ver, ou estar junto de qualquer forma e quando você me ligava eu não tinha mais assunto. Ainda existia amor, mas meu corpo estava congelado, completamente destituído de afeto. E quando eu via seu nome no meu celular, pensava: “as mesmas conversas”. E quando você me chamou pro seu apartamento, pensei: “quero um lugar com mais aconchego, prefiro minha casa.” E foi triste demais não querer ver você porque fui pega de surpresa nesse desinteresse súbito pela nossa vida. E fiquei três dias vivendo um luto imaginário como se tivéssemos terminado há três horas. Mas não era o caso. Eu não estava me despedindo de um amor, mas de uma dependência. Eu não estava rejeitando você, mas a forma como estávamos conduzindo nossa história. E adoeci, e me fragilizei ao ponto de não consegui comer ou dormir, ou dormir a tarde toda e passar a noite tão descompensada com febres e descortinando pesadelos. E acordava triste pela minha falta de saudade. Indiferente às suas mensagens. E o seu rosto tão disforme nas minhas lembranças. E você quase sem querer perceber nada.

O que acho que aconteceu é que num processo lento, eis minha epifania: quem era eu na sua vida, na minha vida, na nossa história? O que tinha restado de mim depois de viver tão imersa e imensamente o nosso encontro? E onde eu caberia nos seus planos do “eu vou fazer, eu vou realizar, eu vou conseguir, eu vou viajar”?E o que EU imaginava pro meu futuro que não conjugava para “nós em laços”? Simplesmente eu passei a morar no teu abraço e, depois de algum tempo, seus braços me acorrentaram e eu sufoquei minha respiração no travesseiro, noite após noite para que dormíssemos juntos na posição mais confortável pra você. Nunca pensei que alguém pudesse perder a própria identidade em tantas sutilezas. Deixei minha solidão de lado pra me sentir desacompanhada por mim mesma, ao seu lado.

Ainda vivemos um namoro. Nada foi formalmente terminado. Mas um tempo de nós acabou. Uma fase menor precisa crescer. E amores grandiosos demais precisam de um mínimo de maturidade pra sobreviver.

Que assim seja!

*

Marla de Queiroz

27 comentários:

Rener Melo disse...

Uau, que coisa mais linda: "E amores grandiosos demais precisam de um mínimo de maturidade pra sobreviver. [...] Que assim seja!"

Déya disse...

Pude me ver em suas palavras.
Cada letra contou um pouquinho do que vivi e vivo....

obg por compartilhar verdades...

andréya.

Adrielle Barros disse...

Pelamordedeus!

Pare de me desvendar dessa forma!

=/


rsrs

Anaterra disse...

Ah! Neeeeem! Chorei muito com seu texto, como o de costume! Sua desvendadora de almas! Me vi em cada palavra, frase, rima. Sua linda! Obrigada! Saudade! Anaterra

Giane Luccas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Giane Luccas disse...

Andei afastada da escrita e leitura, num exílio de mim, para viver o que tão bem descreveu aqui.
E agora, quando volto à tona, e aos poucos redescubro antigos prazeres, como passear no teu blog, encontro este texto que soube explicar tudo melhor que eu...
Grande abraço!

Laércio Neto disse...

é assim que me sinto quando o fim de um amor começa a tomar corpo, mas nem sempre esse corpo vinga !
Beijo !

Anônimo disse...

Tudo tão lindo, assustador e verdadeiro.

Ah!

Anônimo disse...

Como encachou em mim seu texto, como pode?!

Perfeito demais...

superego disse...

Tuas linhas, não tão somente neste texto, tocam a alma de muita gente... somos todas (os) despidas (os) por você! Adoro te ler!

Anônimo disse...

O amor é mesmo universal. E o sentir também. Por isso esta sensação de dizer por nós.
Pena que pra voltar a ter inspiração e voltar pro seu lugar de sempre, tenha que se sentir assim...
Sufocada no abraço.

Franzinha disse...

Como sempre, mais que perfeito!

Sem palavras...

Priscilla disse...

Como eu AMO tudo isso!!!
Beijos meus

Anônimo disse...

Como pode alguem tão distante descrever outro que ao menos conhece?
Você me traduz em seus textos...

Caleidoscópica disse...

"Nunca pensei que alguém pudesse perder a própria identidade em tantas sutilezas. Deixei minha solidão de lado pra me sentir desacompanhada por mim mesma, ao seu lado."

Que formato, expressão máxima, intenso e mágico. O poder das palavras...

Isabel C. Mendes disse...

Marla,
eu já conhecia o seu blog, mas no natal uma grande amiga minha, a melhor, me deu um delicado livro FLORES DE DENTRO de presente, a sua dedicatória escrita na primeira página foi tão linda e tão pessoal que parecia q vc me conhecia... EU AMO OQ VC ESCREVE. Eu escrevo tbm, mas nem se compara, suas viagens são muito mais encantadoras e me deixam perplexas... Ontem eu chorei quando li "Nua, meu único adereço é a literatura".... eu choro muito lendo vc. BEIJOS... isabel

JasonJr. disse...

Tem um selinho pra vc minha linda!
http://jasonjrcajazeir.blogspot.com/p/tem-que-ser-selado-registrado-carimbado.html

Néia disse...

oi Marla...
Às vezes digo que amar é uma total incoerência, perdemos a razão, o chão e todas as nossas certezas. Nos acomodamos para acomodar alguém e quando acordamos percebemos que nos doamos demais ao ponto de não sermos mais nós mesmos.
Lindo Texto...

Leo disse...

A sensação que tive ao chegar na última linha foi de de vazio.

Tu tirou de ti algo que me é tão pessoal que o choque e logo depois o vazio foram inevitáveis.

Amor ao final da linha.

Camila disse...

Mulheeer!
Eu venho aqui todos os dias ávida por seus textos... adoro novidades! (ainda mais quando são lindas como esse texto)

Beijão pra vc!

Ju Fuzetto disse...

Eu me encaixo em cada letra... cada palavra, cada sentimento aqui descrito. Um mimo Lindo!!!

beijocas flor

Fernandakss disse...

Querida Marla, seus textos são sempre cheios de paixão, até quando se trata de uma despedida, de um amor que acabou.Não acho que tenha acabado, pois estava escrevendo sobre isso às 15 e 30 numa sexta-feira!!!Enfim, desculpe por me expressar dessa forma, mas sei que sempre queremos buscar respostas e desvendar nosso sentimento quando ele é tão intenso!!!

PS.: amoOoOooooO seus textos!!!

Dinayran Lorena disse...

Adoro as coisas maravilhosas que vc escreve!!!! Abraços!

Lu Arroyo disse...

Linda você! Engraçado como todo mundo se diz desvendado pelo que você escreve.Você SE desvendou. Essa é a SUA história. Espero que o amor floresça sempre nos teus dias.

Marília Thereza Cabral disse...

É tão pessoal que é de todos.
Fere e doce ao mesmo tempo.
Amei passear por aqui. É daqueles caminhos que ficam na cabeça, pra gente refazer quando tem fome.

Corrinha Rodrigues disse...

Muito lindooo! E sem dúvida o meu momento.

Abs,fia!

Simone Reis disse...

Pensei que somente eu já tivesse vivido isso e percebido que vivi.
Lindo e muito verdadeiro!!!