Páginas

quinta-feira, outubro 08, 2009

Quando não escrevo


Foto: J. Pedro Martins

Porque se não escrevo, há poesia no corpo, todos os meus gestos nesse movimento pra ele, o meu outro. Porque enquanto não escrevo, eu experimento cada centímetro daquela pele, cada variação da temperatura daquele abraço, e o cheiro dele impregnando meu dia, a saudade me deixando em estado de espera pra daqui a pouco, quando nunca é tarde. E os dois chopes ao amadurecer da noite. E a certeza de acordar ao lado, e um projeto de vida sendo concretizado. E a boca sempre macia, nosso banho demorado, as conversas que atrasam o despertador nas manhãs sofríveis que desabraçam dois namorados.
Porque quando não escrevo, ele é minha paisagem. E é tão real e tão palpável que meus dedos só passeiam por caminhos contornáveis. E as palavras fogem de mim, as palavras trazem pra mim um corpo, um sopro, um torpor, e o calor que há em tudo que nos dizemos apaixonadamente encostados na imensa pedra que ele acaricia enquanto agradecemos ao Universo por ser tão de noite e sempre parecer que ainda é dia.
Porque se não escrevo não é porque me falta um drama, é porque me falta tempo pra viver tanta poesia.
*
*
Marla de Queiroz

10 comentários:

Thaisinha... disse...

quem faz poesia, vive dela.
Sorte desse oposto tê-la, ao vivenciar poesia.

Luise Costa Lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luise Costa Lima disse...

Marlinha,
você é fantástica sempre.
Cada dia mais fã dessas palavras, onde me encontro tanto....

Julieta Abiusi disse...

Caracolhesssss não faz isso com a gente não, menina. Arrepiei. Calei. Que bom vc estar tão viva por dentro. Boa sorte!
besos :o)

Clóvis disse...

Esta intensidade que deixa transparecer nas vírgulas, os espaços emaranhados de tantos sentir, pois sinto, cá, e me inebrio destas coisas todas, coisas assim palpáveis, sem ter nome, coisas, que me tocam e fazem soar qualquer gesto sutil, destes que pedem mais, e mais um bocado, e outro sentido.

Você é linda, mais uma vez.
Mais uma vez, de novo.

Um beijo!

Yuri Rodrigues Braz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Intimidador. disse...

Que continue te faltando tempo. Com um sorriso no teu rosto, ninguém reclama de saudade.

Até ;)

Anônimo disse...

AH! Então perdoamos. Que sempre falte tempo e sobre abraço e amor! Qualquer coisa vai escrevendo pelos guardanapos nas mesas de chope e pelas pedras ... de qualquer jeito a gente encontra. Um beijo, linda! Eu sempre, sempre por aqui!

Brisa disse...

Encontrei a Lua dia desses (sempre que falo qualquer coisa simples com o nome dela, me soa tão poético, hehehehe...) e ela me deu notícias suas que me deixaram muito feliz. Aliás, diziam respeito a esses escritos de hoje.
Que você tenha cada vez mais essas flores de dentro e os suspiros de felicidade. Mas, que você sempre possa transformar todo esse amor e beleza em palavras, para não nos deixar órfãos de você por escrito.

Grande beijo e sucesso sempre,

Gabi Cioch.

Rafaela Ventura disse...

Quando terminei de ler, pensei...
'queria ter escrito essa ultima frase'

Fantástico!