Páginas

segunda-feira, julho 20, 2009

Sobre a amizade

Foto: Joe Taruga

Porque hoje é dia do amigo, gostaria de republicar este texto sobre a amizade que estava perdido nos meus arquivos.

Eu nunca fiz amigos tentando ser interessante. Todos os amigos mais íntimos que fiz foi porque me interessei verdadeiramente por eles. Me interessei pelo que doía, pelo que o fazia gargalhar, pela forma como banalizava histórias tristes, pelo jeito com que dramatizava fatos aparentemente banais...Todo mundo quando descobre certa receptividade no outro abre seu coração com tamanha generosidade, que fica difícil não fazer o mesmo. Porque a escolha é sempre nossa. A gente se abre, o outro percebe e se abre simultaneamente_ sempre nessa expectativa do encontro. E quando flui, tudo nos parece mágico.Mas depois vem o que fazemos com tanta informação, com aquela confissão, com aquele momento de entrega. É isso que vai solidificar o que quer que tenha começado. E quando isso não é um dom, é um exercício.Sempre tenho a impressão de que meus amigos têm talento para sê-los. Que são pessoas que nasceram pra essa troca incrível, com esse jeito maravilhoso de encher de sagrado qualquer encontro. Sempre lembro que se fulano (que para mim vive em outro patamar espiritual, emocional, intelectual, etc) me es-colheu, é meu termômetro pra pensar: “vá em frente, você está vibrando na energia certa”!...Isso me faz acreditar mais em mim e a ter vontade de me melhorar diariamente porque sei que o quer que eu faça ou fale, nunca será o suficiente para parar de investir numa relação: o ser humano é dinâmico, está em constante processo de mutação e carecendo de novas trocas.Com minhas amizades aprendo, inclusive, a me relacionar afetivamente com pessoas mais saudáveis quando reflito: “beltrano, (por quem estou fortemente atraída), seria alguém que eu indicaria para minha melhor amiga ou uma filha?”Quando a resposta é NÃO! O que me fez pensar que seria o melhor para mim???É o tipo de amor que não me deixa estagnar na consciência, mas me leva à ação.Tudo que eu sou eu devo ao que fui, à minha criação, ao que me doeu longamente, às alegrias que tive, às pessoas que conviveram comigo,aos valores que me passaram e ao que transcendi. Tenho tanta consciência da importância do outro na minha vida que digo que sou viciada em gente: com seus problemas, suas virtudes, sua simplicidade, ou complexidade, com sua disposição pro amor ou a sua dificuldade de. Porque eu sempre vou encontrar casa numa característica, qualidade ou defeito do outro, nem que seja pra rejeitar naquele momento e me sentir superior ou inferior. Tudo é instrumento para que eu me trabalhe quando me deixo vir à tona através das projeções que faço.Não sou uma pessoa fácil, embora quem me veja, ache que sim. Às vezes me alimento das belezas que as pessoas me dão ou me desprezo quando me rejeitam.Sou exagerada em tudo:oscilo demais, fico melancólica demais, alegre demais, agressiva demais, doce demais, carente ao extremo, independente além da conta. Mas sempre tento estar atenta a minha responsabilidade, a ter o cuidado de dizer ao outro que o processo é meu, o problema é meu ...que ele me trouxe à tona e que às vezes no primeiro impacto isso pode ser assustador. Porque a honestidade sempre salvou as minhas relações e me permitiu ser amada sendo quem eu estava, porque somos o que estamos.Depois descobri que a gente se desilude com amigos sim, mas que ninguém tem tanta força pra me ferir. Só terá se eu der a ele esse poder. E que quando abraço uma pessoa inteira( porque eu, sinceramente, não consigo abraçar sem entrega), sei que estou trazendo pra minha vida uma pessoa com tudo o que ela tem dentro: seu passado e tudo o mais que a formou além da essência. E acredito tanto na minha intuição e na minha sensibilidade que confio que sempre haverá a troca_ de um jeito torto, truncado ou fluido_ eu só dependo da minha criatividade: com ela eu escolho se usarei meus vazios e minhas decepções pra me lamentar ou como espaços que eu tenho pra crescer ou, ainda, se saberei aceitar amor e confiar simplesmente.É por isso que críticas podem até me baquear, mas não me desnorteiam e que elogios me nutrem, mas não me envaidecem (mais)...Porque nunca fiz amigos tentando ser interessante...

*
Marla de Queiroz

11 comentários:

Paulo Viggu disse...

Em jogos de abrir, a amizade deve dar empate. Em pacotes de prateleira não se consome amizade. Em vãos on-line amigos virtuais se fazem na literatura e deixam saudade, como se não se falassem mais. Mas o interessante é não ter interesse. Por isso sumimos no sumidouro do espelho. Então ... saudade. Paulo Viggu-Riodaqui.

Giane Luccas disse...

Oi...andava com saudades!
Beijos querida!

O2 disse...

Oi Marlinha,

Vim ler-te com saudades... e é sempre aquela delicia quando me perco nas tuas palavras, continuas a surpreender poeta! Linda!

Espero que o teu livro esteja a ser um sucesso, um dia quem sabe vou ao Brasil e ganho um!

Tudo de bom para ti.

beijo de eu! directa/ de Moçambique

:)

Pat disse...

Simples assim. Perfeito!

Mariana Valle disse...

Lindo isso, Marla. Concordo com absolutamente tudo.

Adorei o "somos o que estamos" e também passei por essa fase "Depois descobri que a gente se desilude com amigos sim, mas que ninguém tem tanta força pra me ferir. Só terá se eu der a ele esse poder." Isso é fato e é absolutamente libertador. As pessoas só vão até onde a gente deixa elas irem... e você foi fundo no meu coração com seu texto.

Bjs!

Julieta Abiusi disse...

Adoro ter e fazer amigos, dos que ficam pra sempre, dos que não duram mais que um chope. Mas às vezes cometo o pecado de pensar que as pessoas gostariam de me conhecer como eu gostaria de conhecê-las.

Guto Bata disse...

Oi, Marla... Adoro seus textos. Sempre passo por aqui. Se puder, dá uma passadinha no meu blog pra conhecê-lo. Seria uma honra...

Edimar Suely disse...

Olá.

Passando para conhecer seu belíssimo e interessante espaço e desejar uma linda semaninha e muita paz em sua casa.

Smack!

Edimar Suely
jesusminharocha2.zip.net

Anônimo disse...

Oi amiga da Bel Clark! Tuas palavras me acalentaram... Ih, devo dizer: sao de extrema sutileza... bjs Marla!

Ass. Búfalo Suburbano.

Rener Melo disse...

"e a ter vontade de me melhorar diariamente."
Verdade!!

Lélo disse...

Olá Marla!

Descobri seu blog através de uma amiga, estou encantado!
Seu ultimo texto,sobre as amizades, achei perfeito e me identifiquei na hora...você conseguiu traduzir em palavras o que eu penso sobre amizade...amei!