Páginas

domingo, janeiro 27, 2008

Submissão

Foto: Graça Loureiro




Ilustro mistérios enquanto me desnudo pra você
tirando cada peça que cobre o meu corpo.
Você nem imagina quanta sinceridade foi adulterada
no exato momento em que eu desviei o meu olhar do teu:
escondi em um segundo, uma vida de intenções.
Fui reeducada para farsas desde que me abandonaram
no meio de um amor tão espontâneo.
Agora não tenho dedos famintos de reações nem lábios lascivos.
Agora tudo é toque leve e avisado, histórias bem-datadas e beijo breve.
E no rosto eu cultivo com afinco essa expressão fria e o olhar vazio.
Tudo é disfarce e nenhuma verdade.
Eu aprendi a cultivar distâncias.
Finalmente eu troquei a minha real intensidade
pela postura calculadamente adequada de moça frágil.
Finalmente eu construí um personagem sem nenhuma poesia.
Agora, todo o meu afeto é discreto e as minhas taquicardias
semi-ausentes
(para que me ame e nada doa em você.)

E o que era blue(s), agora jaz(z).
*
*
Marla de Queiroz

quarta-feira, janeiro 23, 2008

Sudoeste musicado

SUDOESTE
O que dói em você, pouco me importa.
Eu não cavei teus abismos de mim.
Fui teu abrigo, teu barco
e lua cheia iluminando o caminho.
Você escureceu nosso afeto,
minou nosso rio.
Pra eu ficar, só precisava do seu toque-agasalho.
Você me deu um punhado de frio.
*
*
Poema de Marla de Queiroz musicado por Daniel Chaudon


video

sábado, janeiro 19, 2008

Aniversário de dois anos do Blog

Foto: Graça Loureiro

Esperou que as horas dormissem para que houvesse mais tempo pra sentir. E escolheu a melhor sensação pra vestir o seu poema. E havia alegria no peito, mas a sua primeira frase nasceu triste. Não entendeu. Não eram palavras melancólicas, era o tom do texto que estava em harmonia com a tristeza. Como se o primeiro olhar que a poesia lhe lançasse fosse lânguido, desanimado: um olhar sem flerte. Nenhuma sedução se fazia ali.
Tentou recortar uma paisagem mais gentil que fosse equivalente à alegria, e um céu tão azul aconteceu... Mas o céu sem nuvens era de um azul tão só... Talvez aquela calmaria aborrecesse o seu rascunho. E no fundo, o que lhe faltava era companhia. E pintou uma ventania brusca que trazia chuva e afundava estrelas.
Na verdade, tinha muito choro guardado naquele vento sudoeste... Que lavasse aquela dor, então.

*

*

Marla de Queiroz

*

P.S.: Hoje o meu blog completa dois anos de vida! Eu escrevi um longo texto sobre tudo o que ele me deu, tudo o que vocês me proporcionaram de amadurecimento...Mas depois de relê-lo, achei o texto tão cansativo e em seguida esse textinho me aconteceu...Aceito! A palavra é moça temperamental...Obrigada mil vezes a todos que tornam esse espaço um lugar tão aconchegante pra mim!

terça-feira, janeiro 15, 2008

Sobre a angústia...ou "depois daquela conversa"

Foto: Graça Loureiro


A Sérgio Lélis

Porque a angústia, meu amor, é essa tristeza sem rosto, sem acontecimento, sem desencadeador, sem réu.É de repente não caber em lugar algum e escrever esse amontoado de palavras magoadas com ninguém.Essa angústia a gente não puxa, não escolhe, ela entra na gente assim como a noite caindo lenta e definitiva.E ela aperta teu peito com toda disposição do mundo. Angústia te tira do mundo de fora, te deixa encolhido olhando pra dentro, porque não se pode apontar o dedo e nem colocar a culpa em ninguém, ela simplesmente é esse mal-estar que te faz querer mudar tudo de lugar e se fazer alguns ajustes. Você não vai conseguir sequer fingir que está bem se ela te abraçar.Angustia te deixa enfastiado com a própria rotina, com o seu jeito antigo de conduzir as coisas. Ela te pede morte e renovação. Ela te impõe uma perda irremediável do que você era antes, ela te força a trocar de pele como se você tivesse tomado muito sol ...sem proteção.O que a angústia quer de você é a desaceleração pra parar e contemplar e agir de acordo com o que pede a tua sede de alma...

Ela vem pra gritar aquilo que seu coração sussurrou tantas vezes num momento em que você pensava estar ocupado demais para ouvir.

*
*
Marla de Queiroz

*
P.S.: Amores, estou muito feliz! Descobri ontem, navegando por aí, que meu blog foi indicado como um dos melhores blogs de poesia no concurso do BLOGGER BRASIL 2007...E essa escolha foi feita pelo público e eu nem fiz campanha porque nem me lembrava de estar inscrita! Obrigada a vocês meus leitores que me mandam e-mails lindos, deixam comentários maravilhosos, divulgam meus textos em seus blogs e perfis de orkut, aos que vêm aqui caladinhos só pra conferir o que tem de novo,enfim, obrigada a todos que simplesmente torcem pra que eu tenha inspiração sempre...É disso que preciso. Dia 19/01 meu blog completará 2 anos de existência...Fico me lembrando do dia em que ele nasceu, meio assim, desengonçado...e que agora posso dizer que minhas poesias/textos já estão engatinhando.
Obrigada pela sensação que tenho, quando resolvo algum mergulho bem profundo, de que alguém sempre estará segurando a minha mão!

domingo, janeiro 13, 2008

Mão dupla


Foto: Mariza


De mãos dadas
atravessaremos esses becos, avenidas e estradas
à procura de uma trilha
(sonora)
que nos leve a um canto
(afinado)

*

*

Marla de Queiroz

sábado, janeiro 05, 2008

Palavras soltas


Foto: Ana Red


Mas para que se perceba o verão há que se abrir as janelas do corpo_quando pela manhã o suor ainda é virgem e o cansaço não embruteceu as retinas do sonho. Mesmo que o dia irrompa agressivo e o sol inclemente de luz tanta, no silêncio, pode-se deixar guiar até ao barulho das fontes, até ao sussurro das ondas. A alegria quer a gente muito alerta pro que possa desaguar turvo bem no meio da esperança cristalina. (É por contágio que as coisas boas nascem e as não tão boas também. E é de inanição que as coisas vivas morrem, principalmente). Tem música que nasce do beijo, do abraço, nasce naquela hora em que todo o corpo estava ocupado em afago. Tem música que nasce do nada_ na hora dos dedos inertes que resolveram dedilhar um sol. Há poesia que nasce da dor e poeta que se acostuma com ela.Tem gente que passa a vida esperando um milagre... enquanto alguém os escreve.

*



Marla de Queiroz