Páginas

segunda-feira, julho 23, 2007

Clave de Sol-riso



Foto: Rosalina Afonso


As mãos dele, sinfonia, música clássica urdida por ímpetos de tempestades.
Mãos anárquicas regendo suspiros: atrevimento de dedos.
(Ravel, o bolero_ partitura de ofegâncias).

As mãos dele, maestria, afinadas
arriscam-se pelas trilhas do meu corpo,as mais sonoras.
Delicadas, me calam os dramas fazendo do toque argumento fatal.
Eloqüentes, proliferam os enigmas da não-resistência.

Enquanto eu, hesitante, tento costurar melodias em nuvens
com a minha poesia,
ele, astuto, arrebenta o sol com as mãos,
solfejando melodias-brisas,
usando apenas o violão.

*

Marla de Queiroz



11 comentários:

Carol Montone disse...

Sei bem o rebuliço de sons que mãos feito estas provocam...ai ai....santas...ou demônias......amei o poema.......flui livre e nos leva à ritmos prórios...."partitura de ofegâncias"...ai querida vc é musica para meus ouvidos, hoje cansados e tristes...mais irritados na verdade do que qualquer outra coisa...preciso de rock..mãos e nada de drogas que não curto...beijosssssssssssss

Anônimo disse...

A Maldição do Coelhinho
Deve postar no blog uma lista de 6 coisas que as pessoas não sabem sobre você ou suportar um ataque de um coelho gigante com um tiro na cara, igual ao Donnie Darko, quando você estiver lavando os cabelos de olhos fechados. Depois, tem que repassar a praga para 6 blogueiros.

Mônica Montone disse...

reconheço as mãos de um músico ao primeiro suspiro, rs*....

beijos, flor

MM

Mônica Montone disse...

Adorei essa foto ao lado. gente bonita, feliz..... donde é?

beijocas

MM

julico disse...

um belo violão de cor castanha.

naenorocha1@hotmail.com disse...

SONETO DE AMAR

Essa mulher que se lança, toda ardente.
E lisa, arremetendo-se ao meu peito
Tira de mim e me beija e me rende
Palavras, sinais de amor e aponta o leito.

Essa mulher, flor de pura nostalgia.
Que ri dos meus infantis receios
A única entre tantas em quem faria
Todas as carícias, amor que nunca dei.

Essa mulher que sempre comigo desanda
Quando a mim refere o calor com que me ama
E guarda as marcas dos meus impulsos nela.

Essa mulher é tudo tudo – um bicho bruto
Quem sabe! Mas, nos meus braços, fica muda
E eu também calo, diante dos rompantes dela.

Um beijo
Naeno

Luiza Lisboa disse...

Perfeito!
Bjos!

Clóvis disse...

E por trás de melodias, baticuns, solfejos, cordas, violão; bate um coração descompassado pela poesia que lhe soa clara...


Meu beijo, sua bonita!

Moacy Cirne disse...

Oi, música clássica é uma das minhas paixões. Sobretudo as mais antigas: a medieval, a renascentista, a barroca. Uma bela postagem. Um beijo.

Oswaldo disse...

Essa sua poesia soa como um Tango em lá menor com sétima com nona
Am7.9

placco araujo disse...

Ouso divergir do Oswaldo, pois tal poesia não tem a dramaticidade exigida para um tango, e sim a leveza de uma valsa, tal qual A ROSA de Pixinguinha!!!

Boa noite...