Páginas

terça-feira, junho 26, 2007

Poesia catada num sebo



Encontrou nas prateleiras de um sebo, pilhas de livros
com suas histórias despejadas nas dedicatórias.
Fragmentos de amores amarelecidos, vestiam palavras sem data:

Num Milan Kundera,
(um guardanapo e uma flor esmagada entre as páginas:)
“ A Insustentável Leveza do Ser”...só o título.

Num Manoel de Barros:
“Que teus-olhos-meus percorram estas páginas
ressarcidos das linhas que foram roubadas
pelos caminhos que os cupins traçaram.
E que te fizeram chorar feito menina,
com a cabeça apoiada entre as mãos,
antes de nos amarmos pela primeira vez.”

Num Jorge Luis Borges:
“ Uma lembrança discreta
(literária)
de noites que,
(amiúde)
entre farrapos de sono,
perdemos nossos corpos
nas cores de um mapa mundi.
Com carinho.
P.”

Numa Clarice Lispector:
“ Desfaço-me de tua musa,
porque os mistérios de Clarice
foram feitos pra tua curiosidade.
Sei que passeará teus olhos atentos
em cada grito abafado dessa mulher,
e que cada grifo teu trará pros nossos dias,
reflexões lindas e intermináveis.
Em tuas mãos agora:
meu livro dela,
meu amor teu."

Num Caio Fernando Abreu:
“Que te faça companhia nas noites
em que estarei ausente.
(Já sinto ciúmes dele)
Saudade já se faz presença.
Te amo (com erro sintático).
Volto logo.”

Num Guimarães Rosa:
“ Você é minha Diadorim.
Trouxe de longe pra ti
o sertão que nos fez amantes,
a literatura que nos aproximou tão de imediato.
Sou grato para sempre ao Rosa.”

Numa Hilda Hilst:
“ Tua poesia e a dela são casadas.
Me apaixonei pelas duas.”

Num Herman Hesse:
“ Por tuas febres, por tua fome de mais vida,
por tudo que dói em você pleno de existência
e pela beleza que bota nas coisas através das palavras.
(Sei que esse cara é meu rival, mas faça bom proveito.)”

Num Gabriel Garcia Márquez:
"Cem Anos de Solidão...uma declaração de amor às avessas..."

No livro de uma autora contemporânea desconhecida:
“Para o homem que me ensinou a escrever ( e viver) romances
quando eu só sabia tecer dramas."
*
*
*
Marla de Queiroz
*
*
P.S.:
Esse post nasceu de uma situação que vivi. Estava voltando pra casa a pé e, como é de praxe, entro em todos os sebos que encontro pelo caminho e fico algum tempo fuçando livros...sou viciada naquele cheiro doce das páginas velhas.Em um deles, com um título que dizia algo sobre histórias de amor entre meninas, li uma dedicatória de uma moça tão apaixonada por outra, tão delicada, tão cheia de segredos íntimos de alguém entregue a uma história recém-descoberta e, pelo que parecia, recíproca, que fiquei pensando naquele livro ali, vendido pra um sebo com tanto amor pulsando vivo naquelas palavras adolescentes.Lembrei dos livros que ganhei, das dedicatórias que me escreveram, das coisas lindas que posso relembrar toda vez que os revisito. Fiquei pensando no desapego de quem se desfaz assim, não só de um livro, mas de uma história.Porque têm dedicatórias que compensam a leitura das páginas que nem sempre tocam fundo.
Esse texto nasceu do que posso imaginar quando pago por algum livro num sebo e trago pra casa uma dedicatória alheia.E, apesar do meu apego às minhas dedicatórias, já me conformei com a perda de vários livros que emprestei, porque ainda acredito que são eles quem procuram seus donos.

26 comentários:

Anônimo disse...

tuas palavras sempre emocionam; cutucam alguma coisa lá no fundo. coisa mais bonita... preciso (re)visitar os sebos do centro.
beijo grande, moça bonita.


coisadecarol.blogspot.com

Cássia disse...

Nossa! Histórias foram montadas em mim agora... Amei o texto de todo o coração e alma, um dos meus preferidos desde sempre.

Beijos com amor.

Anônimo disse...

lindissimos esses lugares dentro de livros..linda a forma como você os disse..

(por vezes na contra-capa da vida existem os maiores segredos..os mais bonitos, os mais sinceros)

sandrinha disse...

Amor, prefiro você a qq escritor que você citou!!! Você escreve na alma... :-) TE AMO.

Clóvis disse...

Lembra de nossa brincadeira em parafrasear naquele dia frio naquele bar quente?
Não é que fica lindo?
Não é que estou bobo-bobo?
Não é que dá vontade e ler e ler e ler e ler de novo?

Coisa mais linda, viu?
Beijos e caldo verde.
rs


:)

Lubi disse...

Que linda sua observação.
Que linda você e seus textos sempre.

Já li quase todos os autores citados...

Sintonia.

Um beijo enorme.

o/a mesmo/a anonimo/a de cima disse...

(não consigo deixar de comentar de novo seu post..depois de ler seu P.S.)

me fez lembrar quando arranco as palavras escritas à mão, nas primeiras páginas de livros meus..não consigo emprestar histórias minhas.guardo todas..e quando me perguntam..'porque está a página arrancada'..eu digo..'isso é uma outra história que não cabe na história do livro.'

mais uma vez..obrigada pela imagem e canto escrito que postou hoje.

Movimento disse...

amo dedicatórias, amo sebos e livros e amo você!

a foto é muito bacana, com um livro faltando na prateleira, deixando um vão para divagar...

ficou tudo muito interessante, parabéns menina, pela fluidez dos sentimentos.

poetabraços

clauky

Anônimo disse...

Marla, minha linda, vai aí um beijo no coração.
Lina Frazão

Moacy Cirne disse...

O seu texto é múltiplo e aconchegante como um verdadeiro sebo, que eu prefiro às livrarias tradicionais. Aqui, no Rio, tenho dois sebos de estimação: o Berinjela e o Al-farábi. Se bem que uma livraria como a Foalha Seca não fica atrás em emoção e aconcego. Mas, acima de tudo, gostei do seu texto, viu?!? Um abraço.

eliz pessoa disse...

Marlota, aqui em Brasília, em plena Asa Norte, altura de minha quadra, tem montada na parada de ônibus umas prateleiras, com uma porção de livros, chego levo. Acredita que eles ficam dias ali, alguns intocáveis?
Brasília e alguns detalhes.

Besos muitos mil!
eliz

jorge mendes disse...

livros e sebos e o vento varrendo as ruas. bjos fortes dá nossa preferencia, vc sabe.

Anônimo disse...

Meu amor, que coisa-mais-linda. Mas só vc arrepia minha alma. TE AMO. AMO SUA POESIA.
BeiJÔ JÔ

Gy disse...

Menina Linda Morena,

Vou juntar tudo que todo mundo disse deu chegar:
"que coisa-mais-linda"

"seu texto é múltiplo e aconchegante "

"parabéns menina, pela fluidez dos sentimentos"

"Nossa!"

Amo,
Gy

"obrigada pela imagem e canto escrito que postou hoje"

Cacau disse...

Doce Marla...

Também sempre me fiz essas perguntas... o que leva uma pessoa a abrir mão de um livro com uma dedicatória tão íntima, profunda...
Adoro os sebos por isso também...
é como se tivesse mais de uma história aqueles livros...
Alguém tocou aquelas folhas...
Emocionou-se, chorou, riu, sonhou!
Bom... eu agora estou aqui sonhando com uma certa dedicatória epecial que terei muito em breve em um livro que se tornará, sem a mínima sombra de dúvidas, um Best Seller!!!

Pensamentos... os melhores daqui pra vc daí!

Bjs...

P.S. LINDO TEXTO!

i disse...

obrigado marla pegou muito forte agora
um bjo candango cantando

A czarina das quinquilharias disse...

lindo lindo.
eu também gosto dos livros quando eles vem com história (s)

:*

Rayanne disse...

Marlinda.
Doce, mais doce.

A saudade vai fazendo sinfonia aqui.
E eu tenho tanto prá te contar.
Tanto sorriso prá te enfeitar, eu tenho estrelas pros teus olhos, e carinhos pro coração.

Mas a vida entrou numa de maratonista eu eu de lingua de fora vou tentando alcançar a danada.
Tanta coisa linda. Queria vc aqui, prá dividir, que quando eu dou ou ouço uma gargalhada em sol lembro de di musicando a casa.
E quando um perfume me conforta eu lebro do teu cabelo e da alfazema do ano anovo.
E quando eu escuto um verso desses, que nos levam tão alto quanto as pipas-passarinho do seu moço de Barros, eu lembro tua voz cantarolando poemas num ônibus, num momento que me ficou perdido entre ser e sorrir.
É que eu amo muito. Sempre.

***Todas as estrelas***
**Tão perto quanto nunca**

Anônimo disse...

Sua sensibilidade poética me encanta em demasia.
Faço coro com a Cassinha, é um dos meus favoritos tb.
Bjs encantados.

Ju

Lubi disse...

Ai, Marla, peguei uma imagem daqui e que tudo prum texto meu.
Perdoa?

Beijo.

gdec disse...

Como é que V. que parece uma menininha é uma mulher tão inteira?
Voltarei.
gdec

paulo vigu disse...

No vento
Meio por fora
Meio lento
Saí do meio do rio
Caí no meio do mar
~~~~~~~~~~~~
Fechei pra balanço
Renovei águas
As águas que vem de dentro~^~~~~
Riodaqui.beijo em você e saudade. paulo vigu - p.s. - correria de trabalhos (tese) me fez sumir por uns dias. E aqui é porto onde eu fico tranqüilo com sua escrita nesse ritmo que me atormenta.

Clóvis disse...

Minúcias pairando e esse amor tão bem descrito; fiquei pensando em como estariam hoje estas meninas, moldando rostos, sorrisos e olhares, sutilezas suas me trouxeram tantos bons sentires.

Marlarida, ainda tem aqueles nossos escritos?Depois me mande aqueles meus versos, tou afim de desenvolver...


Meu beijo grande em ti!

pp-paula disse...

Shhhhhhhhhhhhhhhoooooooww!!!

Rosianni disse...

Meu destino não era o seu bloggler, mas agradeço ao google por ter caído aqui. Li esse post e achei lindo d+! Fiquei "viajando" em cada uma daquelas dedicatórias... O seu P.S. está lindo também! Parabéns, menina linda(ok, não conheço você, mas já sei que de alma vc é linda)! Ah, eu "sou" essa daqui: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=17460935098327489273

Giane Luccas disse...

Marla querida! QUE-COISA-MAIS-LINDA!
Certa vez me perdi entre vinis num sebo, pensando no pobre homem que sonhou aquela mulher e estampou isso na capa. Li este post no Face e vim atrás saber mais. Não podia acreditar em cada dor que sentia de poesias e historias descartadas. Para minha surpresa, tua explicação foi tão deliciosa quanto o post em si! Tudo continua lindo por aqui...