Páginas

quarta-feira, maio 09, 2007

Canção



Foto: Rosalina Afonso
*
*
*
Há tempos meus versos são teus,talvez todos, quem sabe.
Há tempos são meus teus escritos,poemas roubados de um pressentimento.
E a poesia que virá,qual história contará que ainda não conheço?

Eu já fui ferida, feri e curei.
Eu já fui amada, amei e perdi.

O que há de tão grave na dor para que se tema tanto, sempre?
O que há de tão nobre no amor,para que se queira insistentemente?
E o que há em comum entre os dois para que, vezenquando, se complementem?

A falta de emoção é que me deixa inóspita.
A inapetência é o que nos inquieta.

Não preciso saber pra onde vou, apenas com quem.
(Eu sei seguir só,também.)

O que pode ser tão frágil que precisa ser guardado numa caixa de silêncios?
O que pode ser tão forte que precisa ser exposto nessa vitrine de gritos?
O que pode ser tão raro que não possa ser incluso na lista dos desapegos?

(Sei que maio desliza entre as pernas nos convidando a apressar o passo.)

Então canta no teu violão aquela canção tão antiga, filha das nossas tardes.
E eu repito com você o refrão em que dizes:

Não consigo recordar
em qual beira de rio
você me beijou um dia,
mas inda arde em mim
essa saudade...
*
*
*
Marla de Queiroz

17 comentários:

Clóvis disse...

Inebriadamente pouso por entre os seus versos, vislumbro fantasias, me deparo em cada vírgula, neste silêncio tão seu, quantas palavras não dizes?Quantos silêncios dirão?
E as palavras tão lúdicas, presságios livres num tempo que é seu, um minuto num dia inteirinho, meus passos deixam-se se ir, beleza tão rara dum mundo em que a razão se dispôs com a poesia - namoraram, noivaram e casaram - a desenhar um novo céu, jardins submersos entre estrelas e sons.


Marla, você é especial.



Meu beijo.

Cecília Braga disse...

Airumã,
Coração em ânsias inflamado supura dúvidas.
Mas nenhuma interrogação anuncia ponto-final, só sabe pedir: -
e pensamento reticente.
Da magia do encontro, do abraço e do amor que une...celebro assim, coração meu junto ao teu, pulsando vida plena.
Amo.
=**

Marla de Queiroz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Minha poeta predileta,

A força em tuas palavras
é a mesma que vem de teu olhar, tua boca, teu riso,
de cada cacho do teu cabelo,
dessa cor tua, tão dourada-marrom-deus-me-ajude-a tê-la-pra-sempre!

Tuas palavras acendem sentimentos, pessoas, saudades.

Rafael Velasquez disse...

gostei. Vai grava-la?

Lubi disse...

Eu penso o mesmo quando te leio. Aquela coisa de pensar em como é parecido o que há dentro de mim.
Esse seu texto me tocou longe.

Um beijo, querida.

marcos pardim disse...

assim como o outono é minha estação preferida, maio é o mês de meus "cantares de perda e predileção"... embora o veja de maneira diferente, achei portentosa a imagem dele, construída por ti, deslizando entre as pernas...

Anônimo disse...

Essa saudade me queima por dentro enquanto minhas mãos estão geladas. Sigo só...mais feliz que antes, e ainda assim não entendo porque não consigo sentir este momento como especial. Puro desabafo!!! Gosto de deitar e dormir sem medo de cair no abismo que se formava em minha cama...Sonho. Um dia vou dormir e não mais vou acordar de meu sonho, nem mesmo acordada...vou flutuar nele! "Porque sou imã irresistível ao que me pertence por merecimento divino". É só saudade do que ainda vou viver :-) Beijos Amor.

Luzzsh disse...

Ah, realmente, muito poucas coisas podem ser tão "tão"....

(Na verdade, em nossos dias já têm sido raras até as coisas que simplesmente "são"...)

Lindo! Adorei.

Beijos...

paulo vigu disse...

Sabe, Marla, a canção de não saber pra onde ir, apenas com quem, e de seguir só, quando queremos, é cheia de acordes belos e orquestras, na voz de uma intérprete, sob uma luz de centro, deixando a platéia em silêncioo absoluto. Aliás,neste momento, gostaria de estar na cena acima descrita. Ouvi Nina Simone e pensei em você. Riodaqui ao mar. Paulo Vigu

Paula Calixto disse...

Querer seguir só é uma coisa. Saber seguir assim quando não se quer isto: é uma arte!!!

No só, só no só é que nos encontramos plenamente. Mas, não devemos buscar estarmos sozinhos em vivência.

Saber estar com... saber ser sem... Eita certezazinha tinhosa!!!kkkkkk...

Amei o texto! Pôxa, que lindo!

Beijos

Monika disse...

Lindo texto e me tocou fundo principalmente qdo falaste do rio...Lindas lembanças tenho de quem mora às margens dele.

Bjs querida.

diovvani mendonça disse...

Marla, minha querida! E o que vou dizer, de palavras tão carregadas de lirismo e que transbordam em sentimentos seus e ainda mais além de você? Vou ficar é com o esse silêncio, que você instaladou agora, aqui em mim. AbraçoDasGerais.

Brisa disse...

Para você ver como é esse mundo de blogs... estava eu fazendo minha leitura diária do "Coração na boca" e vi um comentário seu...

O mundo é mesmo um ovo de codorna sem casca!

Beijo pra você!"

Gabriela Cioch.

Leandro Jardim disse...

Perfeito...

absolutamente!

beiJardins

Anônimo disse...

Marla,querida!!!
Vc sabe q te acho um encanto,Poetisa!!Qdo leio vc,dá aquele friozinho na barriga,aquela emoção genuína e pura q só os grandes mestres da poesia nos faz sentir.E vc é Grande!!é a Marla maior..
Rios e correntezas de sucesso,querida!!!
Lady Vania.

Jane disse...

Simplesmente lindo