Páginas

quinta-feira, abril 26, 2007

Quando o MUITO vira APENAS



Eu não estava triste, estava atenta.
Eu não estava alegre, estava irônica.
Eu quis que a vida me mostrasse
todas as outras reais possibilidades.
E esfreguei os olhos pra desembaçar
o que, antes, era só neblina.
E precisei de muito tempo pra estar junto
e entender o que era só distância.
Eu tive muito tempo pra saber
que já era a hora da mais completa desistência.
E, reavaliando desde o início,
foi que descobri:
o que eu chamava de amor,
era só rima.
O que eu chamava de poesia,
era só vício.

(Saber a hora de ir embora é coisa que só o tempo aprimora.)

*

*

*

Marla de Queiroz

15 comentários:

eliz pessoa disse...

Marlota, como gostei disso...
Talvez pq ache tão difícil saber essa hora. E embora eu saiba, sentindo-a em cada detalhe das quatro estações. Despreender-se é reaprender novamente.
Lindo!
Um beijo meu,
eliz

poeta matematico disse...

Ahn...

Espero q vc nao suma...

Mas se sumir, vá bem, vá em paz e saiba que sempre sentirei falta de suas marluquices

Bessos

Fabiana disse...

Saber sair realmente é tarefa difícil , pior ainda quando não se aceita a porta oferecida.
Recentemente estou assim... Saí por uma porta que não foi a que abriram pra mim.
... Entra lá e veja o que escrevi para uma menina que atende pelo nome de Felicidade.
Um abraço pra você e outro maior pra mim porque hoje estou com um hematoma no peito...
Fabiana.

Monika disse...

ue coisa linda! Perfeito e profundo!
Não será necessário dizer mais nada!
Apareça , será mto bem vinda ao meu cantinho...

fabio jardim disse...

é de uma destreza filosófica surpreendente, o seu poema.
traz muita reflexão. belo olhar das coisas, vc tem.

beijos!

Leandro Jardim disse...

perfeito em cada rima!

beiJardins

Anônimo disse...

Doce...

Estou sempre por aqui, viu?
Mesmo que não deixe minhas palavras, saibas que estou sempre lendo as tuas!

Bjs...

Cacau.

Juliana Pestana disse...

Não tenho palavras... só posso dizer que senti cada verso. Cada sílaba...

Dói demais no peito, mas "Saber a hora de ir embora é coisa que só o tempo aprimora".

Disse tudo. Disso pouco. Mas foi tão completa.

Bjos imensos de um coração despetalado, mas batendo apertado.

diovvani mendonça disse...

Por um tempinho, fui por aqui "ausência pura", mas saiba que em minha memória, você é sempre presença, e da boa, viu? MontanhosoAbraço.

Clóvis disse...

O amor e os seus paradoxos, nos ludibriando em seu mar de encantamento e beleza.

Tenho um rock que trata desses sentimentos completamente opostos, que amor(?) teima em nos mostrar após a despedida, é mais ou menos assim:

"teu sorriso agora
só me traz tristeza
tua beleza agora
chega a me assustar
tuas palavras doces
amargaram o meu dia
é melancolia
que vejo em seu olhar..."


Qualquer hora te mostro com melodia, voz e muito rock and roll.



Beijos meus, moça bonita.

Sandra Regina de Souza disse...

A sabedoria nem sempre é virtude!... PAlavras que despedaçam minhas esperanças... cortam fundo minha saudade efêmera de ser feliz!! Perplexa com os versos, me despeço (e deixo beijos saudosos)

Mônica Montone disse...

Que bom que fez essas descobertas a tempo, linda....

beijocas e bom feriado

MM

Anônimo disse...

Marla,

eitaaaa!!!!Menina vc é boa demais!!
escreve com densidade e maestria...
Parabéns,Poetisa!!!
beijos da Lady Vania.

paulo vigu disse...

Chamou de amor o que era apenas rima. De fato, rima é pouco pra força da menina Marla. Beijo, viu! Riodaqui.Paulo Vigu

Scarlat disse...

Já faz tempo q passo por aki...
adoru suas palavras...tem poder!
Scarlat]]