Páginas

quarta-feira, dezembro 06, 2006

Passado a limpo...

Foto:Fernando Figueiredo
*
*
O rascunho é este:
Eu não vou falar de flores;
Enjoei das borboletas;
Vou catar poesia no lixo
e rimar amor com desperdício;
Vou deixar esta página em branco
ou um poema maculado pela desistência.
*
*
*
(Marla de Queiroz)
*
*
*
E tem mais...Mais um dos poemas nascidos a nove mãos,
regado por água que passarinho não bebe na Avenida Paulista:
*
*
*
POESIAÇA

Manguace-me, poeta das bandejas
entorpeça-me coa plenitude deste momento
[despretensioso e etéreo
etílico
que prova, mais a mais, de modo empírico
que o rebento em grupo é aéreo e lírico
traga o copo,
traga a realidade sua fuga
transubstancie ternura etílica,
diga!traguemos deste ar,
deste espírito delírios, ilusões, doideiras híbridas
tracemos nesse mapa o nosso vôo
incrivelmente lúcidos e lúdicos.
Vertamos as lágrimas
de alegria
que lavam a cidade da mundície
E essa dormência, poeta das bandejas
é o que em nós se almeja.
*
*
*
P.S.: Muita cachaça nessa aur[h]ora!!!rsrsrs.........
Saudade eterna de todos!

13 comentários:

Rayanne disse...

Latejando daqui uma ardência, que em ti se assemelha:
Dormência, e o dedos aflitos sem saber desenhar, tamborilam:
É que algo caminha, vulcão, de encontro a ti.
Sinto, e ainda vou derreter no calor dos teus sorrisos.

Logo, é logo. Te amo, linda!

***Estrelas sempre!***

diovvani disse...

É daquela amarelinha? Tenho aqui uma que é da boa.

9 meses nasce uma criança.
Dessas 9 mãos? Impossivel saber quantos filhos-poemas vorão.

AbraçoDasMOntanhas.

A czarina das quinquilharias disse...

vontade de soprar poeira de borboleta...
(ah. manguace-me, poeta das bandejas! )

moacircaetano disse...

e eu ainda tô com inveja!
humpf!

Clauky Saba disse...

desista amiga,

ainda que cates versos no lixo
ainda serás poeta!!!

está no sangue, poesia intravenosa...

poeta[]s

clauky

drico disse...

álcool deixa all cool!

como cinco cabeças podem, escrevendo simultaneamente, não embaralhar?

Fiquei embaralhado!

Sandra Regina de Souza disse...

Linda, Marla!! Ainda participo de um desses poemas, viu?!!..rs... Adorei rascunho... estou pensando em roubá-lo num poema desperdiçado!!... E tem mais... passei no blog de 7 para ver os convidados desta semana!! Encontrei a mocinha por lá e não consegui calar: morri de inveja (branca, mas ácida... acho que ela sempre tem um gosto meio repugnante)..rs... e fiz um poementário... Amo vocês dois!!
Mil beijinhos

nelson disse...

Ao lixo então...talvez lá esteja mesmo as mundícies dormentes que todo poeta almeja. Parabéns mil vezes...você é sol!

Ellemos disse...

Não adianta resistir. A poesia está aí. Em você.

E em nós (ou nozes). Bêbados que só...

Beijos!

paulo vigu disse...

Eu vi a moça catando poesia no lixão lá no morro dos poetas. Tava maltrapilha com restos de borboletas nos cabelos. Os tubos vazios das bics não deixavam a moça escrever e o vento (rsrodavars)/rodopiava tudo ao seu redor. Sorte que era tudo rascunho. [ ave mãe! - tudo aqui me inspira muito ] - Riodaqui aí sempre - Paulo Vigu

Leandro Jardim disse...

o poema é este:
vidas em eternos rascunhos
cunhados a mão de ferro
ou de poesia


esse rascunhoema é MUITO BOM! Gostcho muito!

e na fita somo nozes posando de paulixtas

BeiJardins ins ins!

Anônimo disse...

ah! já n vinha te ver á tempo demais!
e amei!
:)
claro!
beijão!

Múcio Góes disse...

Ahmormaço... um dia eu quero...


Lindo, linda!

BjoMar.