Páginas

terça-feira, novembro 28, 2006

Síntese

Foto: Fernando Lucas
A rua se enchendo de gente, o buquê de flores falsas, a viagem pra cidade dos casacos coloridos,
o fim do namoro, a saudade das sensações (não das pessoas).
O grito contido no olhar pela decisão tão postergada, a angústia silenciosa antes do surto, a gargalhada brotada do peito depois do susto; e esse choro por dentro, a voz que falha quando engasga na fala e não alcança o sentimento,
E o arco-íris diluído no copo,
o poema escrito no corpo,
o amor preenchendo a cena enquanto nos embriagamos de lirismo...
Eu tinha trinta e sete citações literárias pra fazer entre as risadas;
eu tentava desfazer toda a tensão do vento.
E tinha guardado dentro de cada manga um escândalo, uma piada e um plágio.
Você com suas histórias, eu com as minhas fontes e esse meu jeito
de ir olhando as coisas por dentro com cara de sono.
Um dia começaremos por onde sempre terminamos:
cantando animadamente trechos tristes de Roberto Carlos e Paulo Diniz,
fazendo as curvas da estrada de Santos nas esquinas do Rio de Janeiro ou tomando um chope pra distrair;
E sempre indo embora lúbricos, costurando com os pés
nossos caminhos de areia e asfalto.
*
*
*
(Marla de Queiroz)
Postado em Março de 2006.

P.S.: Ainda não consegui escrever sobre o mágico encontro com os blogueiros paulistas.
Aguardem!

12 comentários:

Rayanne disse...

E indo
líricas
lúdicas
pontilhadas de vãos de pensamento
ancoradas pelo amor desse momento
seguimos
não sós
conectadas que estamos
Por amor feito poesia
Todo prosa na magia
Desse abraço apertado
selado no vento.

Amor, Marlavida.

**E a Estrela**

Jordana disse...

Marlavilhosa!
TE AAAAAAAAAAAO

Ju disse...

Vejo poesia até em seu sorriso, vc é pura poesia!

Beijos emocionados.

moacircaetano disse...

...deve ter sido lindo...

Lubi disse...

Imaginei suas cenas...
Beijo, querida.

Anônimo disse...

"Você com suas histórias, eu com as minhas fontes e esse meu jeito
de ir olhando as coisas por dentro com cara de sono"...

Conheço bem esse seu olhar, morena!
Mas não entendo tanta resistência...Não sei mais o que fazer, não sei o que pode ser dito/feito além de esperar...Então me diga.
Eu quero tanto!

Múcio Góes disse...

lindo, isso, amormaço... essa poesia vibrante, essa que se tocar dá choque...

Lindo, lindo...

BjoMar!

nelson disse...

Um deslise nessas palavras/fez da minha tarde norma sua tes/arrepios de lírios/conta sua história outra vez!? Beijos

paulo vigu disse...

Flores falsas,voz que engasga, tremedeira. O furacão Marla de Queiroz passa e é assim mesmo. Dilui arco-íris em copos Nadir Figueiredo, escreve poema no corpo, cita literatura e estoura muros tensos. Tira tudo da manga e ainda canta: " se você pretende saber quem eu sou (...) entre no meu carro ..." É ela com suas histórias. Riodaqui/beijo aí/Paulo Vigu

Cecília Braga disse...

"Será frio, será ausência, será assim ou só ouço lembrança
E se for e se for força não há mais pra recantar nossa dança
Teu chão, meu céu, teu colo pra tudo que eu juro
Me desfaço em versos no papel
Não abrindo a porta eu pulo o muro
Pulo da pedra mais alta

Chego voando pra te visitar
Talvez por engano eu venha te beijar
Mudo meu plano pra não te machucar
To aqui soprando a chama que me faz brilhar

Será paz, será paciência
Será assim eu ouço a esperança
E se a dor e se adormecer demais
Pra levantar mais criança
Nossa festa ainda vai começar
Nossa peça era a peça que faltava
Se me inspira pra eu te respirar
Em poesia que não acaba
Acabo de pular da pedra

Chego voando pra te visitar
Talvez por engano eu venha te beijar
Mudo meu plano pra não te machucar
To aqui soprando o que alumia meu cantar". (O Teatro Mágico - SOPRANO)
Pra tua poesia Airumã...uma canção! beijo na alma.

A czarina das quinquilharias disse...

marlinha, a mar linda!
saudade também!
linda vc e o que vc escreve :)
bjos!!!!!

Leandro Jardim disse...

a rua reflete
e deixa evidências nuas
o grito contido
ainda assim conta
no olho colorido
no molho ingerido
as imaginárias citações
(ações literárias)
de ciclicas histórias
pois é só a memória
que sempre fica
sem prefixo
que a indique
e lírica


seus textos têm a lindura sua, queridamada moça Marla Vlap!