Páginas

sexta-feira, agosto 18, 2006

Reflexõs sobre a amizade...ou o resto de um texto que estava muito longo.

(Foi preciso que eu estivesse aberta pro que pudesse doer ou fazer rir. E lembrasse da criatividade que oferece diversas mil outras possibilidades. Foi preciso que eu soubesse seduzir pra poder falar de coisas sérias sem nenhuma sensualidade. Foi preciso, mais do que qualquer coisa, que eu me achasse merecedora da alegria e do amor que estavam disponíveis. Porque ser feliz é um aprendizado).


Eu nunca fiz amigos tentando ser interessante. Todos os amigos mais íntimos que fiz foi porque me interessei verdadeiramente por eles. Me interessei pelo que doía, pelo que o fazia gargalhar, pela forma como banalizava histórias tristes, pelo jeito com que dramatizava fatos aparentemente banais...Todo mundo quando descobre certa receptividade no outro abre seu coração com tamanha generosidade, que fica difícil não fazer o mesmo. Porque a escolha é sempre nossa. A gente se abre, o outro percebe e se abre simultaneamente_ sempre nessa expectativa do encontro. E quando flui, tudo nos parece mágico.Mas depois vem o que fazemos com tanta informação, com aquela confissão, com aquele momento de entrega. É isso que vai solidificar o que quer que tenha começado. E quando isso não é um dom, é um exercício.

Sempre tenho a impressão de que meus amigos têm talento para sê-los. Que são pessoas que nasceram pra essa troca incrível, com esse jeito maravilhoso de encher de sagrado qualquer encontro. Sempre lembro que se fulano (que para mim vive em outro patamar espiritual, emocional, intelectual, etc) me es-colheu, é meu termômetro pra pensar: “vá em frente, você está vibrando na energia certa”!...Isso me faz acreditar mais em mim e a ter vontade de me melhorar diariamente porque sei que o quer que eu faça ou fale, nunca será o suficiente para parar de investir numa relação: o ser humano é dinâmico, está em constante processo de mutação e carecendo de novas trocas.

Com minhas amizades aprendo, inclusive, a me relacionar afetivamente com pessoas mais saudáveis quando reflito: “beltrano, (por quem estou fortemente atraída), seria alguém que eu indicaria para minha melhor amiga ou uma filha?”Quando a resposta é NÃO! O que me fez pensar que seria o melhor para mim???É o tipo de amor que não me deixa estagnar na consciência, mas me leva à ação.

Tudo que eu sou eu devo ao que fui, à minha criação, ao que me doeu longamente, às alegrias que tive, às pessoas que conviveram comigo,aos valores que me passaram e ao que transcendi. Tenho tanta consciência da importância do outro na minha vida que digo que sou viciada em gente: com seus problemas, suas virtudes, sua simplicidade, ou complexidade, com sua disposição pro amor ou a sua dificuldade de. Porque eu sempre vou encontrar casa numa característica, qualidade ou defeito do outro, nem que seja pra rejeitar naquele momento e me sentir superior ou inferior. Tudo é instrumento para que eu me trabalhe quando me deixo vir à tona através das projeções que faço.

Não sou uma pessoa fácil, embora quem me veja, ache que sim. Às vezes me alimento das belezas que as pessoas me dão ou me desprezo quando me rejeitam.Sou exagerada em tudo:oscilo demais, fico melancólica demais, alegre demais, agressiva demais, doce demais, carente ao extremo, independente além da conta. Mas sempre tento estar atenta a minha responsabilidade, a ter o cuidado de dizer ao outro que o processo é meu, o problema é meu ...que ele me trouxe à tona e que às vezes no primeiro impacto isso pode ser assustador. Porque a honestidade sempre salvou as minhas relações e me permitiu ser amada sendo quem eu estava, porque somos o que estamos.

Depois descobri que a gente se desilude com amigos sim, mas que ninguém tem tanta força pra me ferir. Só terá se eu der a ele esse poder. E que quando abraço uma pessoa inteira( porque eu, sinceramente, não consigo abraçar sem entrega), sei que estou trazendo pra minha vida uma pessoa com tudo o que ela tem dentro: seu passado e tudo o mais que a formou além da essência. E acredito tanto na minha intuição e na minha sensibilidade que confio que sempre haverá a troca_ de um jeito torto, truncado ou fluido_ eu só dependo da minha criatividade: com ela eu escolho se usarei meus vazios e minhas decepções pra me lamentar ou como espaços que eu tenho pra crescer ou, ainda, se saberei aceitar amor e confiar simplesmente.

É por isso que críticas podem até me baquear, mas não me desnorteiam e que elogios me nutrem, mas não me envaidecem (mais)...

Porque nunca fiz amigos tentando ser interessante...nem bebendo leite....hahahahahahaha (brincadeira das mais tolas num texto sério como este, mas eu não resisti! Porque é verdade!hahahaha)

Marla de Queiroz

8 comentários:

Su disse...

E eu q ando a trabalhar q nem formiga louca, fuji rapidinho pa vir o q anda se passando com minha amiga do outro mundo... e n é q li um texto q poderia ter sido escrito por mim... foi tao real q vou pegar nele, e mais uma vez vou postar o dito no Oxigenio... tem q ser... tu fazes disto!

:)

só tu!

Rayanne disse...

A construção diária do que intentamos ser.
A confusão tão vária do planejamos construir.
E esse calor que é argamassa, esse valor essencial contido na amizade.
Porque na família se nasce e ;e tudo o que se conhece, é seu mundo primeiro, a primeira impressão.
Amigo? Amigo não. Amigo é escolher sagrar-se humano, amigo evoca o que há de mais puro, belo, verdadeiro. Amigo é a principal entrega e a principal expressão do amor. Amor puro.
Porque é isso que nos edifica a vida inteira, uns se perdem, outros incrustam, alguns nos seguem. Mas para quem quer experimentar a essência da solidão tente isolar-se do milagre "amigo".

E eu estou construindo, minha flor, essa ponte entre nossos mundos. Para selar, nos passos seguintes, a amizade. Inteira.

Uma estrela verdadeira.

Anônimo disse...

Bom dia!!
Eu tbém nunca fiz amigos bebendo leite... engraçado mesmo!
Vc é admirável. Um ótimo fds pra vc!
Juliana - Bsb

Bela Caleidoscopica disse...

Marlíssimamada,
hahahaha bebendo leite é ótimo!
Amigo tem isso mesmo, de trazer o que a gente se permite de nós mesmos, de provocar o que a gente precisa no outro e de receber o desnecessário com ira ou amor. Num tem meio termo pra mim. é sempre a boa e velha amizade com seus acessos de fúria, felicidade, sorte, amor, raiva, agressividade ou doçura. E há o silêncio entre amigos harmoniosos, reconfortante quando é o amigo certo, tão incômodo na falta de intimidade. E tem sempre, sempre a verdade,a trasparência da alma, a nitidez dos gestos e a claridade das palavras. Se não for assim, de que vale? Melhor o novelão das oito, né, amore?
hhahahahahahaha
beijos beijos
ps: e leite eu não recomendo nem pros inimigos!
pps: e não tem amigos que são verdadeiras lentes telescópicas de ver o mais encoberto? Rá! Amigos-gurus, amigos-amantes, amigos-poetas, amigos-0800, amigos-videntes, amigos-24h, amigos-blefes...tem de tudo nessa vida, frô! Thanks God!

moacircaetano disse...

muita coisa linda por aqui...
I´ll be back!
bjo!

preto disse...

e apôis...

Sou do BEM disse...

L.I.N.D.O

Anônimo disse...

tem um carinha no rokut que usa seus textos frequentemente usurpando-os...

http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=4675730402578414922

Só agora que tive acesso ao seu blog,pude constatar...
se cuida..
vc é muito boa no que faz,e não merece isso...