Páginas

sexta-feira, junho 30, 2006

Flor de Cacto

Foto: Maria Ivone Ferreira

“ A bem dizer, ele pouco falasse. Se via que estava apreciando o ar do tempo, calado e sabido, e tudo nele era segurança em si. Eu queria que ele gostasse de mim...”

(Guimarães Rosa_ “ Grande Sertão: Veredas” )

Ele é mais contido, cuidadoso nos gestos, fala pouco e quase não se derrama.
Às vezes a olha cheio de encantamento e, prestes a pronunciar a tal frase de impacto, desiste no primeiro impulso do momento exato.
E quando sai de órbita, escreve um poema sem título.
Ela é doce e ardente, esparramada na fala, exagerada no toque.
E todos os dias negocia com a maneira que ele tem de demonstrar afeto_ nunca é o suficiente.
E do poema inteiro, só presta atenção no título ausente...
Dentro de tantas expectativas, eles seguem se amando desajeitadamente:
Ele de um jeito delicado porque não precisa dela...
Ela, com tantas carências, pensa que o ama loucamente.

(Marla de Queiroz)

*


9 comentários:

Ju disse...

Precisaria viver mais vidas pra inalar tanta doçura. Pois confesso q me sinto limitada pra absorver tanta coisa bela.

A começar pela foto, q com minha cara de pau quero pedir se posso 'roubá-la'. Posso?rsss

Ai vem Guimarães Rosa e depois Marla. Meu Deus! Q trinca perfeita. Que MARLAVILHA :)

Beijos, moça fofa !

Bela Caleidoscopica disse...

Marlíssima,
eu ando relendo Grande Sertão, de novo, novamente...e cada vez mais apaixonada por esse sujeito!!!
E cada dia mais encantada com você tb...desse seu jeito "derramado" de dizer as coisas mais fundas!
Tudo fica tão lindo...até a dor!
Um beijo enooorme
Encantadíssima Bela

A czarina das quinquilharias disse...

lindo!!!
posso dizer que me vi um pouco aí?

Garota bossa-nova disse...

Olá querida tudo bem?Só hj pude retribuir a tua tão doce visita em meu cantinho.E confesso que estou encantada com tudo por aqui.Tudo muito lindo e de muito bom gosto!E quanto a este post no qual comento digo que sou mesmo assim,como esta moça,derramada,esparramada de amor,quando amo.Voltes sempre que quiseres!Vc será sempre bem vinda!Abraços.Grandes.

Su disse...

hoje acertas-te-me bem no meio de n sei onde, e fiquei sentda, atordoada, qual amostra de esquilo com os oculos na ponta do nariz a pensar e a pensar...

hoje, sentava-me na minha mota, e lá ía, qual bruxa sentada numa vassoura magica ao sabor do vento, em plena madrugada de lua cheia...

isto de relações conjugais... qt mais vivo menos entendo os homens!

é nestes dias q sinto uma saudade sofucante da minha mãe, mas, na realidade ela tb n deveria saber a resposta.

puts to uma merda, vou dormir!

Oz disse...

eh...lembro e naum lembro...
Sei q quando escreves e "posta" naum eh mais teu...enfim to eu aqui...concordando...com o q naum eh mais teu.

Bjs linda

Milton disse...

Marla, tenho passado por aqui, e a cada dia vejo que vale mais a pena.
Com simples e belas palavras você tem o dom de tocar.
Um toque suave e muito gostoso!!!
Parabéns.

Anônimo disse...

Hi! Just want to say what a nice site. Bye, see you soon.
»

Mosaicos de uma vida disse...

Simplesmente encantada com o texto e a imagem. Costumo dizer que me identifico com o cacto pela sua forma rude de ser e sua resistência, porém nunca levei em consideração sua tão bela flor. Será que eu também tenho esse detalhe kkkkk